Herbalismo Holístico

Herbalismo Holístico

O HERBALISMO HOLÍSTICO

Faz algum tempo que trabalho e pesquiso apaixonadamente sobre plantas, em diferentes fontes e correntes de pensamento atuais e clássicas.

Encanta-me imaginar como o homem ancestral observando o comportamento instintivo dos animais e usando sua própria intuição passou a fazer experiências com o reino vegetal e depois,  como ele transmitiu este conhecimento aos seus descendentes, através da fala, dos desenhos, dos escritos em pedras, placas de barro e pergaminhos.

Gostaria de poder embarcar numa máquina do tempo e pesquisar a sabedoria ancestral dos antigos egípcios, indus,  hebreus, chineses, gregos, romanos,  maias, astecas e xamãs de todas as etnias, observá-los manipulando as plantas com tanta reverência e sabedoria com o propósito de auxiliar seu semelhante.

Nesta aventura histórica,  provavelmente eu pularia na idade média o longo período em que o homem cético e materialista,  negou todo o conhecimento ancestral  e passou a queimar em fogueiras,  documentos e  pessoas que traziam na sua bagagem espiritual este conhecimento universal que salvava vidas e almas.

O reino vegetal acompanhou paciente e amorosamente a evolução humana e vários textos antigos fazem  referência as plantas e a sua importância vital para o homem:

” E o Senhor Deus fez brotar da terra toda a árvore agradável à vista, e boa para comida e a árvore da vida no meio do jardim, e a árvore da ciência do bem e do mal.”  Genesis

….” E seu fruto servirá de alimento e a sua folha de remédio”. Ezequiel

…. “Deus criou os medicamentos da terra e o homem justo os usa” Eclesiastes

Sabemos  que as plantas são produzidas pelo maior laboratório do planeta terra: a natureza. Mesmo quando elas nascem misteriosa e abundantemente ao nosso redor e são chamadas de “erva daninha” ou “praga”  ou quando as cultivamos em vasos, jardins, hortas ou estufas, em pequena ou grande escala, rurais ou urbanas, elas continuam a cumprir a sua missão e nos proporcionar uma grande lição;  oferecer generosamente alimento, conforto, abrigo, alegria, bem-estar, cura física, emocional e espiritual e manter o equilíbrio energético do planeta.

Muita literatura existe sobre as plantas, da mística e ritualística à científica e contemporânea e todas sem exceção, buscam desvendar os segredos e poderes ocultos das plantas. Ocorre que muitas vezes analisamos o universo verde apenas sob um determinado ângulo, que parece mais importante sob a ótica daquele observador ou para determinada necessidade humana, ou ainda, obedecendo  a um propósito maior, vinculado ao estágio consciencial da raça humana.

Quando finalmente despertamos para o reino vegetal, não importando sob qual ângulo estejamos conectados, passamos a nos sutilizar, sensibilizar e perceber a importância do bem mais precioso que dispomos, a vida e a oportunidade de evolução que muitas vezes desperdiçamos buscando o ilusório e o supérfluo.

O reino vegetal é sábio, generoso, pacífico e  harmonioso e agrada a todos os seres humanos,  independente  da cultura e do estágio evolutivo.

Há aqueles que não apreciam alimentação vegetariana mas se encantam com o conforto da sombra de uma árvore e de um campo gramado;

Há também os que plantam grandes extensões de alimento e não conseguem perceber a utilidade de um jardim.

Encontramos seres que se emocionam com a beleza das flores, mas não se sensibilizam com o desmatamento da Amazônia;

Outros que só percebem a utilidade medicinal do reino vegetal;

Uns querem apenas o aroma, outros, somente a cor;

Há ainda aqueles que selecionam com qual parte das plantas querem se relacionar,  transformando em lixo tudo aquilo que não pertencer aquele grupo;

Há ainda os que apreciam o reino vegetal como troféu, cortando e transformando tudo que puderem abocanhar, sem nenhuma consciência.

Não importa se apreciamos  o espírito ou a matéria das plantas. Se valorizamos só a energia das plantas ou somente as raízes, ou caules, ou folhas, ou flores, ou frutos ou as sementes. O que importa é que o reino vegetal tem uma amorosa missão a cumprir na sua trajetória evolutiva com os seres humanos e ele atuará de acordo com a esta missão,  independente de termos a compreensão disto e apesar da nossa falta de gratidão e consciência.

Esta missão do reino vegetal é nos auxiliar a despertar nossa essência divina adormecida e reconectá-la com a essência do Criador que é simplesmente o Amor. Muitas vezes o universo e suas sábias leis aproveita  situações de tristeza e dor pelas quais a raça humana passa de tempos em tempos, para que o Reino Vegetal possa cumprir o seu papel.

No passado Paracelso, Hanneman, Bach e muitos outros seres conectados perceberam isto também.

Observamos isto ao fazer um paralelo entre a ação Fitoquímica e a ação Fitoenergética da mesma planta em determinados desequilíbrios do homem.

A Fitoenergética é uma nova “antiga”  abordagem terapêutica desenvolvida por Bruno Gimenes, que busca o equilíbrio das desarmonias do ser humano usando a alma da planta e sua missão.  Assim como os antigos Xamãs, Bruno percebeu que esta  terapia holística, leve e simples poderia ser empregada em qualquer pessoa, da infância a velhice, sem efeitos indesejados. A energia da planta é captada e utilizada na forma de chás, sprays, vapores ou simplesmente pela simples proximidade e sintonia com o vegetal.A planta doa generosamente sua energia harmonizadora a quem necessita, sem julgamento ou cobrança.

Podemos usar como exemplo,  nosso sábio e  ancestral irmão do reino vegetal de origem chinesa, o Ginkgo Biloba,  que vive em nosso planeta a 180 milhoes de anos e sobreviveu a bomba atômica que assolou Hiroshima e Nagazaki na segunda guerra mundial. O Ginkgo é usado como medicamento a mais de 2.800 anos e foi a primeira planta a nascer naquela região do Japão após o desastre nuclear, sobrevivendo a radioatividade do solo e contrariando todas as expectativas dos cientistas.

Os compostos Fitoquímicos desta planta considerada um fóssil vivo são hoje cientificamente identificados e usados para tratar distúrbios da circulação periférica, vertigem, dores de cabeça, perda de memória e de audição.

Estas  situações enfermiças que ocorrem na região dos Chacras Frontal e Coronário,  se analisadas sob a visão holística,  sinalizam a necessidade urgente de mudança de padrões de pensamento do indivíduo.

A Fitoenergética descreve o Ginkgo biloba como um vegetal de caráter energético Físico, Polaridade Yang que atua sobre o Chacra Frontal. Diz ainda que esta planta  tem  sua missão vinculada  a  auxiliar o indivíduo a  ‘reformar os padrões mentais e ativar a reflexão e a consciência além de  proporcionar clareza nos pensamentos.

Percebemos então que a análise científica (Fitoquímica) da planta  não contraria a ação holística (Fitoenergética), e mesmo sem consciência, o indivíduo receberá o auxílio necessário por que esta é a missão do Ginkgo Biloba, auxiliar os seres humanos a evoluir e nos aproximar da Fonte.

Outro exemplo é o Anis estrelado e seu emprego no tratamento da gripe A. Observamos que  aconteceu uma verdadeira corrida aos supermercados em busca do Anis Estrelado e suas propriedades preventivas e curativas para esta virose. A utilização medicinal do Anis Estrelado,remonta há séculos, é utilizado para tratar problemas de falta de apetite,  distúrbios gastrointestinais, flatulência e cólicas. Topicamente é usada em micoses.  Recentemente a Comissão Européia aprovou a sua utilização na perda de apetite, tosse e bronquite, aplicações que se devem à sua atividade expectorante,.

A Fitoenergética diz que a energia espiritual do  Anis reduz a agressividade e a violência, a irritação e falta de tolerância, reduz a hiperatividade e o stress físico. Estas emoções estão relacionadas ao 2º, 3º e 4º Chacras. O centro da imunidade  localiza-se no 4º chacra, a falta de amor e compaixão torna o homem imuno deprimido e portanto predisposto a contrair doenças. Qual é a mensagem do Anis? Seja compassivo e tolerante, não brigue por pequenas coisas, viva com amor!

As plantas não precisam que acreditemos ou tenhamos fé nelas, elas nos ajudam de qualquer jeito, tenhamos ou não consciência disto. As plantas não se importam qual parte delas vamos usar, seja a matéria (Fitoquímica) ou o espírito (Fitoenergética).

Elas limpam o ar que respiramos e nos fornecem oxigênio, nos alimentam, nos doam seus óleos essenciais, seus princípios ativos, e dignificam sua existência em prol da nossa evolução.

Observando-as e estudando-as sabemos em que situação usá-las. Poderá ser na forma de incenso, fusão, óleos, chás.

Quando se aproxima o verdadeiro propósito da alma, tudo da natureza interior vem a tona. A pessoa entra em um processo mais rápido de transformação pessoal. Quando convidamos o amor para despertar poderes mais profundos, trabalhar nos desafios torna-se uma aventura. Leo Artese

“A árvore que plantas dar-te-á, talvez amanhã, o remédio que precises”. Emmanuel

O maior obstáculo para o crescimento é a inércia, que cria a insensibilidade, pois priva o indivíduo de novas possibilidades, cria passividade com relação à vida. Cria falta de vitalidade, limita a criatividade e predispõe ao papel de vítima. A consciência se limita a fugir, a ter medo. A vítima fica sempre vivendo as sombras do passado e com medo do futuro.

Segue teu destino, rega tuas plantas, Ama as tuas rosas. O resto é sombra de árvores alheias….. Vê de longe a vida. Nunca a interrogues. Ela nada pode dizer-te. A resposta , está além dos Deuses. Fernando pessoa

 

Maria Cristina Navarro Ferreira

Terapêuta Holística

0 comentários

Deixe um comentário

Quer se juntar a discussão?
Fique a vontade para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *